terça-feira, 13 de novembro de 2012

quarta-feira, 17 de outubro de 2012


sexta-feira, 20 de julho de 2012


Não se desespere por causa de sua luta.
Deus pode esta te provando para uma grande obra.
E o que Ele quer fazer, no momento não entedemos, mas sempre é o melhor.

Pr Marcelo Araújo

terça-feira, 12 de junho de 2012

sexta-feira, 8 de junho de 2012

HOMENAGEM AO SAUDOSO PR DIVINO













NO DIA 16 DESTE MÊS, COMPLETARÁ 3 ANOS QUE NOSSO DEUS RECOLHEU PARA SÍ NOSSO AMADO E SAUDOSO PR DIVINO.
ENGUANTO ESTAVA VIVO, DEUS USOU SEU SERVO COM PODER E AUTORIDADE.
FOI RESPONSÁVEL POR INUMERAS CONSTRUÇÕES DE TEMPLOS NA MAIOR PARTE DO CENTRO-OESTE.
FORMOU MILHARES DE OBREIROS E GANHOU MILHARES DE ALMAS PARA O MESTRE JESUS.
MAS APROVE A DEUS RECOLHER ESSA JÓIA TÃO PRECIOSA PARA JUNTO DE SÍ.
MAS FICA EM NOSSA MEMORIA SUA HISTÓRIA E TESTEMUNHO.
NÓS RESTA APENAS SEGUIR SEUS PASSOS PARA SERMOS OBREIROS APROVADOS POR DEUS.
SUA VIDA E TESTEMUNHO ESTA REGISTRADO NO LIVRO DE DEUS, E SUA VIDA ESTA ESCRITA NA HISTÓRIA DA ASSEMBLÉIA DE DEUS NO BRASIL.
PRINCIPALMENTE NO MINISTÉRIO DE MADUREIRA, E SUA FALTA NÃO TEM COMO COMENTAR NO CAMPO DE TAGUATINGA.
QUE DEUS POSSA NOS PERMITIR SERMOS FIÉIS A ELE POR TODA NOSSA VIDA.

PR MARCELO ARAÚJO

domingo, 29 de abril de 2012

Pr Daniel Berg,um exemplo de homem usado por Deus.

História

Daniel Berg

Conheça a história do missionário, evangelista, pastor e fundador das Assembleias de Deus no Brasil

Daniel Berg
Daniel Berg
Foto: Daniel Berg, com sua família. Berg fundou as Assembleias de Deus no Brasil em 18 de junho de 1911, juntamente com Gunnar Vingren e 18 crentes batistas de Belém (PA) que creram na doutrina do batismo no Espírito Santo.

DANIEL BERG
(1884–1963)
Missionário, evangelista, pastor e fundador das Assembleias de Deus no Brasil. Nasceu em 19 de abril de 1884, na pequena cidade de Vargön, na Suécia, às margens do lago de Vernern. Quando recém-nascido, o padre da cidade visitou inúmeras vezes a casa de seus pais para convencê-los a batizá-lo, mas nada conseguiu. Por isso, desde criança, Daniel era mal visto pelo padre, que, desprestigiado, passou a dizer que a criança que não fosse batizada por ele jamais sairia de Vargön. “Já naquele tempo pude observar a desvantagem e o perigo de o povo ter uma fé dirigida, sem liberdade. A religião que dominava minha cidadezinha e arredores impossibilitava as almas de terem um encontro com o Salvador”, conta o pioneiro em suas memórias.

Quando o evangelho começou a entrar nos lares de Vargön, seus pais, Gustav Verner Högberg e Fredrika Högberg, o receberam e ingressaram na Igreja Batista. Logo procuraram educar o filho segundo os princípios cristãos. Em 1899, quando contava 15 anos de idade, Daniel converteu-se e foi batizado nas águas na Igreja Batista de Ranum.

Em 1902, aos 18 anos, pouco antes do início da primavera nórdica, deixou seu país. Embarcou a 5 de março de 1902, no porto báltico de Gothemburgo, no navio M.S. Romeu, com destino aos Estados Unidos. “Como tantos outros haviam feito antes de mim”, frisava. O motivo foi a grande depressão financeira que dominara a Suécia naquele ano.

Em 25 de março de 1902, Daniel desembarcou em Boston. No Novo Mundo, sonhava, como tantos outros de sua época, em realizar-se profissionalmente. Mas Deus tinha um plano diferente e especial para sua vida.

De Boston, viajou para Providence, Rhode Island, para se encontrar com amigos suecos, que lhe conseguiram um emprego numa fazenda. Permaneceu nos Estados Unidos por sete anos, onde se especializou como fundidor. Com saudades do lar, retornou à cidade natal, onde o tempo parecia parado. Nada havia se modificado. Só Lewi Pethrus*, seu melhor amigo, companheiro de infância, não morava mais ali. “Vive em uma cidade próxima, onde prega o evangelho”, explicou sua mãe.

Logo chegou a seu conhecimento que seu amigo recebera o batismo no Espírito Santo, coisa nova para sua família. A mãe do amigo insistiu para que Daniel o visitasse. Aceitou o convite. No caminho, estudou as passagens bíblicas onde se baseava a “nova doutrina”.

Chegando à igreja do amigo Lewi Pethrus (Igreja Batista de Lidköping), encontrou-o pregando. Sentou e prestou atenção na mensagem. Após o culto, conversaram longamente sobre a nova doutrina. Daniel demonstrou ser favorável. Em seguida, despediu de seus pais e partiu, pois sua intenção não era permanecer na Suécia, mas retornar à América do Norte.

Em 1909, em meio à viagem de retorno aos Estados Unidos, Daniel orou com insistência a Deus, pedindo o batismo no Espírito Santo. Como não estava preocupado como da primeira vez, posto que já conhecia os EUA, canalizou toda a sua atenção à busca da bênção.

Ao aproximar-se das plagas norte-americanas, sua oração foi respondida. A partir de então, sua vida mudou. Daniel passou a pregar mais a Palavra de Deus e a contar seu testemunho a todos.

Ainda em 1909, por ocasião de uma conferência em Chicago, Daniel encontrou-se com o pastor batista Gunnar Vingren, que também fora batizado no Espírito Santo. Os dois conversaram horas sobre as convicções que tinham. Uma delas é que tanto um como o outro acreditava que tinham uma chamada missionária. Quanto mais dialogavam, mais suas chamadas eram fortalecidas.

Quando Vingren estava em South Bend, Daniel Berg estava trabalhando em uma quitanda em Chicago quando o Espírito Santo mandou que se mudasse para South Bend. Berg abandonou seu emprego e foi até lá, onde encontrou Vingren pastoreando a igreja Batista dali. “Irmão Gunnar, Jesus ordenou-me que eu viesse me encontrar com o irmão para juntos louvarmos o seu nome”, disse Berg. “Está bem!”, respondeu Vingren com singeleza. Passaram, então, a encontrar-se diariamente para estudarem as Escrituras e orarem juntos, esperando uma orientação de Deus.

Após a revelação divina dada ao irmão Olof Uldin de que o lugar para onde deveriam ir era o Pará, no Brasil, Daniel Berg, contra a vontade dos seus patrões, abandonou o emprego. Eles argumentaram: “Aqui você pode pregar o Evangelho também, Daniel; não precisa sair de Chicago”. Mas ele estava convicto da chamada e não voltou atrás.

Ao se despedir, Berg recebeu de seu patrão uma bolacha e uma banana. Essa era uma tradição antiga nos Estados Unidos. Simbolizava o desejo de que jamais faltasse alimento para a pessoa que recebesse a oferta.

Esse gesto serviu de consolo para Berg, que em seguida partiu com Vingren para Nova Iorque, e de lá para o Brasil em um navio.

No Pará, Daniel, com 26 anos de idade, logo se empregou como caldereiro e fundidor na Companhia Port of Pará, recebendo salário mensal de 12 mil réis, passou a custear as aulas de português ministradas a Vingren por um professor particular. No fim do dia, Vingren ensinava o que aprendera a Daniel. Justamente por isso, Berg nunca aprendeu bem a língua portuguesa. O dinheiro que sobrava era usado na compra de Bíblias nos Estados Unidos.

Tão logo começou a se fazer entender na língua portuguesa, passou a evangelizar nas cidades e vilas ao longo da Estrada de Ferro Belém-Bragança, enquanto Vingren cuidava do trabalho recém-nascido na capital. Como o evangelho era praticamente desconhecido no interior do Pará, Berg se tornou o pioneiro da evangelização na região. É que as igrejas evangélicas existentes na época não tinham recursos suficientes para promover a evangelização no interior.

Após a evangelização de Bragança, tornou-se também o pioneiro na evangelização da Ilha de Marajó, onde peregrinou por muitos anos, a bordo de pequenas e grandes canoas. Berg ia de ilha em ilha, levando a mensagem bíblica aos pequenos grupos evangélicos que iam se formando por onde passava.

No início de 1920, Daniel visitou a Suécia, onde se enamorou com a jovem Sara, com quem se casou em 31 de julho daquele ano. Em março de 1921, retornou ao Brasil, acompanhado por sua esposa. O casal teve dois filhos: David e Débora.

Em 1922, seguiu para Vitória (ES) para estabelecer a Assembleia de Deus naquela capital, permanecendo até 1924, quando foi para Santos fundar a AD no Estado de São Paulo. Em 1927, o casal Berg mudou-se para a capital São Paulo, onde Daniel continuou fazendo seu trabalho de evangelismo até 1930.
Depois de um período de descanso, seguiu para a obra missionária em Portugal, entre os anos 1932-1936, na cidade de Porto. Após passar pela Suécia, retornou ao Brasil, em 11 de maio de 1949. Permaneceu na cidade de Santo André (SP) até 1962, quando retornou definitivamente para a Suécia.

Daniel Berg sempre foi muito humilde e simples. Em suas pregações e diálogos, sempre demonstrou essas virtudes. Ninguém o via irritado ou desanimado. Sempre que surgia algum problema, estas eram suas palavras: “Jesus é bom. Glória a Jesus! Aleluia! Jesus é muito bom. Ele salva, batiza no Espírito Santo e cura os enfermos. Ele faz tudo por nós. Glória a Jesus! Aleluia!”.

No Jubileu de Ouro das Assembleias de Deus no Brasil, comemorado em Belém, Berg estava lá, inalterado, enquanto os irmãos faziam referência a sua atuação no início da obra. Para ele, a glória era única e exclusivamente para Jesus. Berg considerava-se apenas um instrumento de Deus.

Nas comemorações do Jubileu no Rio de Janeiro, no Maracanãzinho, quando pastor Paulo Leivas Macalão colocou em sua lapela uma medalha de ouro, Berg externou visivelmente em seu rosto a ideia de que não merecia tal honraria.

Até 1960, Berg recebeu, diretamente de Deus, a cura de suas enfermidades mediante a oração da fé. Mas, a respeito de suas condições de vida nos seus anos finais, pode-se inferir que não tinha o amparo que merecia. A esse respeito, o pioneiro Adrião Nobre protestou na revista A Seara, edição de novembro-dezembro de 1957, p. 32: “O irmão Berg reside em São Paulo (cidade de Santo André). Não sei como ele vive ultimamente; tive, contudo, notícias desagradáveis com relação à sua condição de vida – não tem, segundo soube, o descanso que merece, nem o conforto que lhe devemos proporcionar. Irmãos, não sejamos injustos, lembremo-nos de auxiliar o tão amado pioneiro da obra pentecostal no Brasil”.
Em 1963, foi hospitalizado na Suécia. Mesmo assim, ainda trabalhava para o Senhor. Ele saía da enfermaria para distribuir folhetos e orar pelos que se decidiam. A disciplina interna do hospital não lhe permitia fazer esse trabalho, por isso uma enfermeira foi designada para impor-lhe a proibição. Porém, ao deparar-se com o homem de Deus alquebrado pelo peso dos anos, mas vigoroso em sua tarefa espiritual, não teve coragem e desistiu da tarefa. Berg, então, continuou a oferecer literaturas.

Finalmente, em 27 de maio de 1963, aos 79 anos, Daniel Berg morreu. Sua esposa, Sara, faleceu em 11 de abril de 1981.
DECE A CASA DO OLEIRO E DEIXA DEUS TE MOLDAR CONFORME ELE QUER.
SEJA UM VASO DE HONRA PARA A GLÓRIA DE DEUS.

EM QUE CREMOS.


EM QUE CREMOS

CREMOS

1) Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
2) Na inspiração verbal da Bíblia Sagrada, única regra infalível de fé normativa para a vida e o caráter cristão (2 Tm 3.14-17).
3) Na concepção virginal de Jesus, em sua morte vicária e expiatória, em sua ressurreição corporal dentre os mortos e sua ascensão vitoriosa aos céus (Is 7.14; Rm 8.34 e At 1.9).
4) Na pecaminosidade do homem que o destituiu da glória de Deus, e que somente o arrependimento e a fé na obra expiatória e redentora de Jesus Cristo é que pode restaurá-lo a Deus (Rm 3.23 e At 3.19).
5) Na necessidade absoluta do novo nascimento pela fé em Cristo e pelo poder atuante do Espírito Santo e da Palavra de Deus, para tornar o homem digno do Reino dos Céus (Jo 3.3-8).
6) No perdão dos pecados, na salvação presente e perfeita e na eterna justificação da alma recebidos gratuitamente de Deus pela fé no sacrifício efetuado por Jesus Cristo em nosso favor (At 10.43; Rm 10.13; 3.24-26 e Hb 7.25; 5.9).
7) No batismo bíblico efetuado por imersão do corpo inteiro uma só vez em águas, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, conforme determinou o Senhor Jesus Cristo (Mt 28.19; Rm 6.1-6 e Cl 2.12).
8) Na necessidade e na possibilidade que temos de viver vida santa mediante a obra expiatória e redentora de Jesus no Calvário, através do poder regenerador, inspirador e santificador do Espírito Santo, que nos capacita a viver como fiéis testemunhas do poder de Cristo (Hb 9.14 e 1Pd 1.15).
9) No batismo bíblico no Espírito Santo que nos é dado por Deus mediante a intercessão de Cristo, com a evidência inicial de falar em outras línguas, conforme a sua vontade (At 1.5; 2.4; 10.44-46; 19.1-7).
10) Na atualidade dos dons espirituais distribuídos pelo Espírito Santo à Igreja para sua edificação, conforme a sua soberana vontade (1 Co 12.1-12).
11) Na Segunda Vinda premilenial de Cristo, em duas fases distintas. Primeira - invisível ao mundo, para arrebatar a sua Igreja fiel da terra, antes da Grande Tribulação; segunda - visível e corporal, com sua Igreja glorificada, para reinar sobre o mundo durante mil anos (1Ts 4.16. 17; 1Co 15.51-54;
Ap 20.4; Zc 14.5 e Jd 14).
12) Que todos os cristãos comparecerão ante o Tribunal de Cristo, para receber recompensa dos seus feitos em favor da causa de Cristo na terra (2Co 5.10).
13) No juízo vindouro que recompensará os fiéis e condenará os infiéis (Ap 20.11-15).
14) E na vida eterna de gozo e felicidade para os fiéis e de tristeza e tormento para os infiéis
(Mt 25.46).

Pr Marcelo Araújo

LAUDO MÉDICO DA MORTE DE JESUS.


LAUDO MEDICO DA MORTE DE JESUS.

Prezada comunidade! Jesus sofreu e morreu. Foi crucificado e duramente castigado. Não conseguimos ter idéia do que tenha sido o martírio, o sofrimento e a morte de Jesus. Pergunto-me: Por quê? Então voltei a perguntar-me o que anunciamos ? Que Jesus morreu! Como fazemos isso? Onde está nossa ênfase? Idealizamos sua morte, presumindo que por ela ter um sentido (morreu por nós) já deixa de ser cruel? Morte é morte! Sofrimento é sofrimento! Dor é dor! todo é dia para ajudarmos as pessoas a se aproximarem desse momento profundamente doloroso, cruel e injusto que foi a crucificação e morte de Jesus. Sabemos que em Jesus a morte não tem a última palavra, mas deixemos isso para anunciar nos cultos evangélisticos. Portanto, sugiro que ao invés de usarmos a narração do texto façamos a leitura de um laudo médico sobre a morte de Jesus. Isto para que as pessoas possam sentir o quão difícil, doloroso e cruel tem sido aquele momento humanamente falando. O fato de nos aproximarmos da morte de Jesus dessa forma quer também chamar a atenção para outros tipos de morte que acontecem ao nosso redor. Também eles nos devem escandalizar, causar dor e náuseas, sensibilizar-nos, para que essa revolta se transforme em atitudes de vida. LAUDO MÉDICO DA MORTE DE JESUS * Dr. Barbet, cirurgião francês "Sou um cirurgião, e dou aulas há algum tempo. Por treze anos vivi em companhia de cadáveres e durante a minha carreira estudei anatomia a fundo. Posso, portanto, escrever sem presunção a respeito de morte como aquela. Jesus entrou em agonia no Getsêmani e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra. O único evangelista que relata o fato é um médico, Lucas. E o faz com a decisão de um clínico. O suar sangue, ou "hematidrose", é um fenômeno raríssimo. É produzido em condições excepcionais. Para provocá-lo é necessário uma fraqueza física, acompanhada de um abatimento moral violento causado por uma profunda emoção, por um grande medo. O terror, o susto, a angústia terrível de sentir-se carregando todos os pecados dos homens devem ter esmagado Jesus. Tal tensão extrema produz o rompimento das finíssimas veias capilares que estão sob as glândulas sudoríparas, o sangue se mistura ao suor e se concentra sobre a pele, e então escorre por todo o corpo até a terra. Conhecemos a farsa do processo preparado pelo Sinédrio hebraico, o envio de Jesus a Pilatos e o desempate entre o procurador romano e Herodes. Pilatos cede, e então ordena a flagelação de Jesus. Os soldados despojam Jesus e o prendem pelo pulso a uma coluna do pátio. A flagelação se efetua com tiras de couro múltiplas sobre as quais são fixadas bolinhas de chumbo e de pequenos ossos. Os carrascos devem ter sido dois, um de cada lado, e de diferente estatura. Golpeiam com chibatadas a pele, já alterada por milhões de microscópicas hemorragias do suor de sangue. A pele se dilacera e se rompe; o sangue espirra. A cada golpe Jesus reage em um sobressalto de dor. As forças se esvaem; um suor frio lhe impregna a fronte, a cabeça gira em uma vertigem de náusea, calafrios lhe correm ao longo das costas. Se não estivesse preso no alto pelos pulsos, cairia em uma poça de sangue. Depois o escárnio da coroação. Com longos espinhos, mais duros que os de acácia, os algozes entrelaçam uma espécie de capacete e o aplicam sobre a cabeça. Os espinhos penetram no couro cabeludo fazendo-o sangrar (os cirurgiões sabem o quanto sangra o couro cabeludo). Pilatos, depois de ter mostrado aquele homem dilacerado à multidão feroz, o entrega para ser crucificado. Colocam sobre os ombros de Jesus o grande braço horizontal da Cruz; pesa uns cinqüenta quilos. A estaca vertical já está plantada sobre o Calvário. Jesus caminha com os pés descalços pelas ruas de terreno irregular, cheias de pedregulhos. Os soldados o puxam com as cordas. O percurso é de cerca de 600 metros. Jesus fatigado, arrasta um pé após o outro, freqüentemente cai sobre os joelhos. E os ombros de Jesus estão cobertos de chagas. Quando ele cai por terra, a viga lhe escapa, escorrega, e lhe esfola o dorso. Sobre o Calvário tem início à crucificação. Os carrascos despojam o condenado, mas a sua túnica está colada nas chagas e tirá-la produz dor atroz. Quem já tirou uma atadura de gaze de uma grande ferida percebe do que se trata. Cada fio de tecido adere à carne viva: ao levarem a túnica, se laceram as terminações nervosas postas em descoberto pelas chagas. Os carrascos dão um puxão violento. Há um risco de toda aquela dor provocar uma síncope, mas ainda não é o fim. O sangue começa a escorrer. Jesus é deitado de costas, as suas chagas se incrustam de pé e pedregulhos. Depositam-no sobre o braço horizontal da cruz. Os algozes tomam as medidas. Com uma broca (arco de pua), é feito um furo na madeira para facilitar a penetração dos pregos. Os carrascos pegam um prego (um longo prego pontudo e quadrado), apóiam-no sobre o pulso de Jesus com um golpe certeiro de martelo o plantam e o rebatem sobre a madeira. Jesus deve ter contraído o rosto assustadoramente. O nervo mediano foi lesado. Pode-se imaginar aquilo que Jesus deve ter provado; uma dor lancinante, agudíssima, que se difundiu pelos dedos, e espalhou-se pelos ombros, atingindo o cérebro. A dor mais insuportável que um homem pode provar, ou seja, aquela produzida pela lesão dos grandes troncos nervosos: provoca uma síncope e faz perder a consciência. Em Jesus não. O nervo é destruído só em parte: a lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego: quando o corpo for suspenso na cruz, o nervo se esticará fortemente como uma corda de violino esticada sobre a cravelha. A cada solavanco, a cada movimento, vibrará despertando dores dilacerantes. Um suplício que durará três horas. O carrasco e seu ajudante empunham a extremidade da trava; elevam Jesus, colocando-o primeiro sentado e depois em pé; conseqüentemente fazendo-o tombar para trás, o encostam na estaca vertical. Depois rapidamente encaixam o braço horizontal da cruz sobre a estaca vertical. Os ombros da vítima esfregam dolorosamente sobre a madeira áspera. As pontas cortantes da grande coroa de espinhos penetram o crânio. A cabeça de Jesus inclina-se para frente, uma vez que o diâmetro da coroa o impede de apoiar-se na madeira. Cada vez que o mártir levanta a cabeça, recomeçam pontadas agudas de dor. Pregam-lhe os pés. Ao meio-dia Jesus tem sede. Não bebeu desde a tarde anterior. Seu corpo é uma máscara de sangue. A boca está semi-aberta e o lábio inferior começa a pender. A garganta, seca, lhe queima, mas ele não pode engolir. Tem sede. Um soldado lhe estende sobre a ponta de uma vara, uma esponja embebida em bebida ácida, em uso entre os militares. Tudo aquilo é uma tortura atroz. Um estranho fenômeno se produz no corpo de Jesus. Os músculos dos braços se enrijecem em uma contração que vai se acentuando: os deltóides, os bíceps esticados e levantados, os dedos, se curvam. É como acontece a alguém ferido de tétano. A isto que os médicos chamam tetania, quando os sintomas se generalizam: os músculos do abdômen se enrijecem em ondas imóveis, em seguida aqueles entre as costelas, os do pescoço, e os respiratórios. A respiração se faz, pouco a pouco mais curta. O ar entra com um sibilo, mas não consegue mais sair. Jesus respira com o ápice dos pulmões. Tem sede de ar: como um asmático em plena crise, seu rosto pálido pouco a pouco se torna vermelho, depois se transforma num violeta purpúreo e enfim em cianítico. Jesus é envolvido pela asfixia. Os pulmões cheios de ar não podem mais esvaziar-se. A fronte está impregnada de suor, os olhos saem fora de órbita. Mas o que acontece? Lentamente com um esforço sobre-humano, Jesus toma um ponto de apoio sobre o prego dos pés. Esforça-se a pequenos golpes, se eleva aliviando a tração dos braços. Os músculos do tórax se distendem. A respiração torna-se mais ampla e profunda, os pulmões se esvaziam e o rosto recupera a palidez inicial. Por que este esforço ? Porque Jesus quer falar: "Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem". Logo em seguida o corpo começa afrouxar-se de novo, e a asfixia recomeça. Foram transmitidas sete frases pronunciadas por ele na cruz: cada vez que quer falar, deverá elevar-se tendo como apoio o prego dos pés. Inimaginável! Atraídas pelo sangue que ainda escorre e pelo coagulado, enxames de moscas zunem a o redor do seu corpo, mas ele não pode enxotá-las. Pouco depois o céu escurece, o sol se esconde: de repente a temperatura diminui. Logo serão três da tarde, depois de uma tortura que dura três horas. Todas as suas dores, a sede, as cãibras, a asfixia, o latejar dos nervos medianos, lhe arrancam um lamento: "Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?" Jesus grita: "Tudo está consumado!". Em seguida num grande brado diz: "Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito". E morre. Em meu lugar e no seu. Até aqui o laudo. Pergunto: Temos mais alguma coisa a acrescentar - Você que acabou de fazer essa leitura, medite em sua atitude em relação ao sacrificio de Cristo. Ele se deu por sua vida, e você? Tudo que Jesus fez foi por amor a você. Lembre-se sempre disso, Jesus te ama e quer te salvar.

INVEJA, UM MAL MORTAL.



Em gênesis capitulo 04 versiculo 05 a 08 , Deus alerta Caim sobre sua intenção.
Ao lermos essa passagen e meditarmos , é inevitavel fazermos comparaçõe com nossos dias.
Como Caim que invejou seu irmão Abel, pois o Criador aceitou sua oferta e recusou a sua.
Muitos de nos também se encontra na mesma situação, por não oferecer o nosso melhor para Deus, e vermos nosso irmão oferta o seu melhor e ser aceito pelo Senhor.
Nasce então um mal dentro de nosso ser, chamado inveja.
Cabe a nos controlarmos e dominarmos esse mal , para não cairmos como caiu Caim.
Deus o alertou" EIS QUE O PECADO JAS A PORTA CUMPRI A TI DOMINALO"
Caim não escultou a voz de Deus, e arquitetou e execultou seu plano maligno.
Sua inveja o tinha dominado , estava cego pela sua ira, e infelizmente foi dominado pelo desejo de tirar a vida de seu irmão .
O crime que Abel praticou contra Caim foi "oferecer o melhor para Deus"
Com isso Caim tirou a vida de seu irmão.
Se você se encontra com esse memo desejo em teu coração, hoje te aconselho" cuidado o pecado jas a porta, cabe a ti dominalo"
Não cometa o mesmo erro de Caim, ofereça o seu melhor para Deus, que Ele vai aceitar sua oferta.
Que o Senhor te abençõe grandemente.

Pr Marcelo Araújo.

sábado, 28 de abril de 2012

sexta-feira, 23 de março de 2012

NOTA DE APÓIO AO PR BENEDITO DOMINGOS.




A SUB-SEDE DA QNL 05, NA PESSOA DE SEU PR MARCELO ARAÚJO DECLARA TOTAL APOIO AO PR BENEDITO,ACREDITAMOS EM SUA INOCÊNCIA.
LOGO TUDO SERÁ ESCLARECIDO E O NOME DE JESUS SERÁ GLORIFICADO EM SUA PESSOA.
DESEJAMOS TODA SORTE A NOSSO REPRESENTANTE NO PODER LEGISLATIVO.

PR MARCELO ARAÚJO

terça-feira, 20 de março de 2012

APRENDENDO A ESPERAR.

QUANDO LEMOS O SALMOS DE Nº40, COMEÇAMOS A MEDITAR:
COMO ESPERAR NO MEIO DA TRIBULAÇÃO?
COMO ESPERAR EM MEIO AS ENFERMIDADES?
COMO ESPERAR EM MEIO AS PERSEGUIÇÕES?
É DIFÍCIL,MAS TEMOS QUE CONFIAR NO SENHOR.
PÓIS SE ELE AINDA NÃO TE RESPONDEU, ESPERE.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Acabou o horário de verão, graças a Deus.


Atrase seu relógio em 1 hora pois acabou o horário de verão, graças a Deus.

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Curitiba ganha uma família abençoada.

Um casal abençoado que é usado por Deus, tem talento e dom de Deus para cuidar das crianças.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

sábado, 7 de janeiro de 2012

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Provação que leva a vitória.




Provação que leva a vitória.

Quando Deus provou o povo de Israel no deserto, muitos não compreenderam o por que.
Lendo o capitulo oito de Deuteronômio começamos a entender, Deus estava provando o coração do homem, para mostrar que tudo tem um preço a ser pago, para recebermos a vitória.
Sua caminhada pelo deserto, a fome e a sede tudo tinha um objetivo, nada acontece por acaso, estava dentro de um propósito de Deus.
“ E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram; para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas que de tudo o que sai da boca do Senhor viverá o homem.” Dt cap. 08 ver. 03
O propósito de Deus em o povo de Israel passar pelo deserto era para esquecer do Egito, da falsa segurança e estabilidade mesmo sendo escravos de faraó.
Necessitavam aprender a confiar na palavra do Senhor, na providencia e segurança que só Deus tem para seu povo.
Em nossos dias muitos cristãos não entendem o por que da sua prova, não conseguem se esquecer e nem se liberta do seu passado de escravo.
Não se desprenderam de velhos costumes e manias mundanas que só atrasam sua vitória.
Precisam aprender a confiar e acreditar em Deus, nas suas providencias.
Deixar o velho homem para trás, alguns ainda falam “quando eu não era crente eu não passava por isso ou aquilo, não me faltava nem isso nem aquilo outro.”
Meu amado irmão se você passa por isso lembre-se que você não tinha a promessa de vida eterna e garantias que só Cristo pode dar.
Lembre-se do exemplo do povo de Israel, saíram do Egito 600 mil homens preparados para guerra sem contar mulheres e crianças.
E somente dois homens entraram na terra prometida, não deixe que isso aconteça com você, creia e confie na palavra de Deus, não morra no deserto de seus problemas, mas entre na terra prometida.
“E Deus limpará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.”Ap. cap.21 ver. 04 .
Mesmo que aconteça o pior problema na sua vida não perca a confiança na promessa de vida eterna que Jesus Cristo te deu.
Que Deus te abençoe e lhe de força e virtude do céu para vencer.


Pr. MARCELO ARAÚJO

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

domingo, 1 de janeiro de 2012